The invisible journey of Azoreans in 19th century Brazil

Keywords: Viana, Espírito Santo, colonization, immigration, Azoreans

Abstract

The beginning of the 19th century was a period of intense political, economic and socio-cultural changes in Brazil, arising to a new mentality of development of the Colony, put in place after the arrival of the Royal Portuguese family. With this new perspective, the Captaincy of Espírito Santo emerged on the national scene and, in 1813, the Agricultural Colony of Viana was founded, in which Portuguese immigrants from the Azores Islands were settled. Azorean families, in addition to seeking economic and social success, also brought in their cultural baggage the Holy Spirit Feast. The debate in question aims at describing and analyzing the settlement process in which the Azoreans through took part in the city of Viana-ES. Unlike what happens in other parts of Brazil (especially in the South), the production of research and academic papers on the subject is still limited and quite recent. However, little by little, the Azoreans are included in the configuration of the Espírito Santo identity mosaic. The theoretical-methodological framework of this article is based on the critical review of bibliographical sources about the Azoreans, in the context of Espírito Santo.

References

Arquivo Público do Estado do Espírito Santo. (1813a). Correspondência e atos do Príncipe Regente – Governo do Reino entre os anos de 1813 e 1817. [Correspondência enviada ao governador Rubim em 23/04/1813. Fundo Governadoria. Série Acciolly. Caixa 002]. Vitória.

Arquivo Público do Estado do Espírito Santo. (1813b). Correspondência e atos do Príncipe Regente – Governo do Reino entre os anos de 1813 e 1817. [Correspondência enviada ao governador Rubim em 04/12/1813. Fundo Governadoria. Série Acciolly. Caixa 002]. Vitória.

Arquivo Público do Estado do Espírito Santo. (1814a). Livro de Matrícula dos Ilhéus situados na Povoação de Viana. [Relação dos casais situados na nova Povoação de Viana. Fundo Governadoria. Série 751. Livro 17]. Vitória.

Arquivo Público do Estado do Espírito Santo. (1814b). Carta de Sesmarias – Período 1814 a 1828. [Registro Geral das Cartas de Confirmação de Sesmarias dos Ilhéus estabelecidos na Povoação de Vianna. Fundo Governadoria. Série Novas Séries Documentais. Caixa 088]. Vitória.

Arquivo Público do Estado do Espírito Santo. (1815). Livro de Matrícula dos Ilhéus situados na Povoação de Viana. [Relação dos números e dos donos das casas dos Ilhéus que se acham situados na nova Povoação de Viana. Fundo Governadoria. Série 751. Livro 17]. Vitória.

Arquivo Público do Estado do Espírito Santo. (1822). Registro de Ofícios do Governo Provisório [Ofício de onze de junho de 1822, da Junta Governativa ao ministro José Bonifácio. Fundo Governadoria. Série 751. Livro 027]. Vitória.

Balestrero, H. (2012). Subsídios para o estudo da geografia e da história do município de Viana. JEP Gráfica.

Banck, G. (2011) Caçar com gato: escassez de recursos e relações sociais no Espírito Santo (K. van den Bergen, trad.) [Tese de doutorado, Universidade de Amsterdam]. https://drive.google.com/file/d/161ywSaHCdOb2RrP5r8otqVt_1D5H6tzB/view

Becker, H. S. (2009). Falando da sociedade: ensaios sobre as diferentes maneiras de representação. Jorge Zahar.

Bittencourt, G. (2008). A Transmigração da corte e sua influência no desenvolvimento do Espírito Santo. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, (62), 9–34. https://doi.org/10.17648/ihgp.v7i01.202

Carvalho, E. (2008). Política e economia mercantil nas terras do Espírito Santo (1790 a 1821) [Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Espírito Santo]. RiUfes. https://repositorio.ufes.br/bitstream/10/3360/1/tese_3254_Enaile_Flauzina_Carvalho.pdf

Cordeiro, C., & Madeira, A. (2003). A emigração açoriana para o Brasil (1541-1820). Arquipélago, 2(7), 99–122.

Coutinho, D. J. C. (2002). O Espírito Santo em princípios do século XIX. Trecho dos apontamentos das visitas pastorais de D. José Caetano da Silva Coutinho, Bispo do Rio de Janeiro, correspondente à sua passagem por Vitória durante as visitas que fez ao Espírito Santo nos anos de 1812 e 1819. Lei Rubem Braga PMV.

Dadalto, M. C. (2015). Representações sociais na imigração de retorno à Itália. Métis: História & Cultura, 13(27), 311–321.

Decreto de 1º de setembro de 1808. Presidência da República - Casa Civil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/historicos/dim/DIM-1-9-1808.htm

Derenzi, L. (1965). Biografia de uma ilha. Prefeitura Municipal de Vitória; Secretaria Municipal de Cultura e Turismo.

Flores, M. B. (2000). Povoadores da Fronteira: os casais açorianos rumo ao Sul do Brasil. EdUFSC.

Fortes, J. B. (1999) Os casais açorianos: Presença lusa na formação sul-rio-grandense. Martins Livreiro.

Gibney, M. (2009). Precarious residents: migration control, membership and the rights of non-citizens. United Nations Development Programme.

Grosseli, R. (2009). Colônias Imperiais na Terra do Café: Camponeses trentinos (vênetos e lombardos) nas florestas brasileiras. Espírito Santo 1874-1900 (M. Sarcinelli, trad.). Senado Federal, Conselho Editorial.

Guimarães, A. (2012). Racismo e antirracismo no Brasil. Editora 34.

Honneth, A. (2006) La Société du mépris. Vers une nouvelle théorie critique (O. Voirol, P. Rusch & A. Dupeyrix, trad. para o francês). La Découverte.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Viana (ES). Cidades e Estados. https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/es/viana.html

Lemos, N. (2008). Paulo Fernandes Viana, o Intendente-Geral de Polícia na corte joanina (1808-1821). Cadernos de História, 6(2), 16–26.

Levy, M. (1974). O papel da migração internacional na evolução da população brasileira (1872 a 1972). Saúde Pública, (8), 49–90. https://doi.org/10.1590/S0034-89101974000500003

Mariano, F. P. (2012). Patrimônio e Memória: o Divino em Viana do Espírito Santo [Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Espírito Santo]. RiUfes. http://repositorio.ufes.br/bitstream/10/2091/1/tese_5962_Disserta%C3%A7%C3%A3o%20Fabiene.pdf

Mariano, F. P. (2019). A Festa do Divino em Viana no século XXI: memórias afetivas na construção de uma açorianidade capixaba. [Tese de doutorado, Universidade Federal do Espírito Santo]. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Ufes. http://portais4.ufes.br/posgrad/teses/tese_8701_FABIENE%20Tese%20vers%E3o%20Novembro%20%282%29.pdf

Matos, M. (2013). Portugueses: Deslocamentos, experiências e cotidiano: São Paulo séculos XIX e XX. Edusc.

Novaes, M. (1964). História do Espírito Santo. Fundo Editorial do Espírito Santo.

Oliveira, J. (2008). História do estado do Espírito Santo (3. ed.). Arquivo Público do Estado do Espírito Santo; Secretaria de Estado da Cultura.

Piazza, W. (1998). A colonização de Santa Catarina. Lunardelli.

Pimentel, M. (2008). Os Açorianos na Capitania do Espírito Santo e a fundação da Povoação de Viana. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, (62), 153–181.

Prefeitura Municipal de Viana. (2008). Viana em Muitos Olhares. PMV.

Presidência da República. (1808). Decreto de 1º de setembro de 1808. Manda vir da Ilha dos Açores 1.500 familias para a Capitania do Rio Grande do Sul. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/historicos/dim/DIM-1-9-1808.htm

Razera, G. (2016). O Brasil e o “brasileiro” em O primo Basílio: Análise sobre Basílio de Brito. UFRGS.

Rubim, F. (1840). Memórias para servir à história: até o ano de 1817 e breve notícia estatística da Capitania do Espírito Santo, porção integrante do Reino do Brasil. Imprensa Nevesiana.

Riley, C. G. (2003). A emigração açoriana para o Brasil no século XIX: braçais e intelectuais. Arquipélago, (7), 143–172.

Rodrigues, J. D., & Rocha, G. P. (2008). A emigração açoriana para o Brasil: ritmos e destinos. In M. I. Matos, F. Sousa & A. Hecker (eds.), Deslocamentos e histórias: os portugueses (pp. 245–258). Edusc.

Saint-Hilaire, A. (1974). Viagem ao Espírito Santo e Rio Doce. Itatiaia.

Sayad, A. (2000) O retorno: elemento constitutivo da condição do imigrante. Travessia, (13), pp. 7–32.

Santos, E. (2005). Vias de comunicação, conquista territorial e colonização estrangeira no Espírito Santo do séc. XIX: a gênese do pensamento político capixaba. Dimensões, (17), 47–68.

Silva, S. S. (2012). A emigração açoriana para o Brasil, por meados do século XIX , e a questão da “escravatura branca”. História: Questões & Debates, (56), 37–61. https://doi.org/10.5380/his.v56i1.28638

Silva, S. S. (2019). Emigração açoriana entre a história e a memória. Memória e Identidade Insular. In D. N. Chaves (ed.) Religiosidade, festividades e turismo nos arquipélagos da Madeira e Açores (pp. 89–116). CHAM Universidade dos Açores.

Sousa, F., & Ferraria, M. (2009). A emigração portuguesa para o Brasil e as origens da Agência Abreu. In F. Sousa, I. Martins & I. Matos (eds.), Nas duas margens: os portugueses no Brasil (pp. 13–32). Afrontamento.

Viana, P. (1892). Abreviada Demonstração dos Trabalhos da Polícia. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro - RIHGB, (55), IV, Parte I, 373–380.

Prefeitura Municipal de Viana. (2008). Viana em Muitos Olhares. PMV.

Wied-Neuwied, M. (1989). Viagem ao Brasil. APGIQ.

Published
2021-06-30