An official request for forgiveness and Prayed out loud Shango: Appropriations of memory and rhetorical strategies at the Centenary of the 1912 Shango riots

Keywords: Afro-Brazilian cults, Xango Operation, Prayed out Loud Xangô, state

Abstract

This article argues about the relation between politics and religion in the specific context of the event called Prayed out Loud Shango, which took place in the city of Maceió (AL), in February 2012, to mark the one hundred years of the dramatic event that became known in the city as the “1912 riots”, which, in turn, consisted of the invasion of the main Shangos terreiros, places of African matrix cult, in that state. The centenary of “Shango Operation” another name by which the wanton destruction of terreiros also became known , started with a procession carried out by members of the main local terreiros through the central streets of Maceió and finished with the “request of official pardon”, led by the then governor of the state.

The celebration had an immediate impact on communities of saint involved in the celebration, due to the public visibility obtained by its members during the procession and in all other activities that integrated the event's program, however, during the celebrations, the official act promoted by the governor occupies a prominent position in the celebratory rites. This point of view is defended through the impressed newspapers news and imagery narratives produced during the event.

References

Barros, F. R. A. (2005). ABC das Alagoas. dicionário biobibliográfico, histórico e geográfico das Alagoas. Senado Federal, Conselho Editorial.

Belo, R. A. (2012). Rastros dos processos educacionais do “Xangô” alagoano. Contribuições para a história da educação [Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Alagoas]. Repósitorio Institucional da Ufal. http://www.repositorio.ufal.br/bitstream/riufal/5346/1/Rastros%20dos%20processos%20educacionais%20do%20xang%c3%b4%20alagoano%3a%20contribui%c3%a7%c3%b5es%20para%20a%20hist%c3%b3ria%20da%20educa%c3%a7%c3%a3o.pdf

Bezerra, E. (2020, 6 de março). O Xangô Rezado Baixo, ou o sentimento de tragédia vivenciado enquanto uma farsa. 082 Notícias. https://082noticias.com/2020/03/06/edson-bezerra/?fbclid=IwAR3qFfUtG3G3KEFQSgtcQzoKOsgtCvIS8Bb-uKvdV_RT0xXJkAr5uC9tlh0

Bruxaria. (1912, 4 de fevereiro). Jornal de Alagoas, p. 1.

Cabral, M. (2012, 2 de fevereiro). Governador assina decreto de perdão pelo Quebra de 1912. Diário Oficial, p. 3.

Cappello, T. (2012, 2 de fevereiro). [Fotografia: no centenário do Quebra de Xangô, o reitor da UNEAL, Jairo Campos, o governador Teotônio Vilela Filho e Mãe Miriam simbolizam o respeito do estado de Alagoas aos cultos afro-brasileiros]. Diário Oficial, p. 1.

Certeau, M. (1994). A invenção do cotidiano. Artes de fazer. Vozes.

Cruz, A. (2 de fevereiro). [Fotografia: governador Teotônio Vilela assina decreto em que estado pede perdão pelos atos de intolerância religiosa]. Diário Oficial, p. 1.

de Sant'Ana, M. M. (1987). História da imprensa em Alagoas, 1831-1981. Arquivo Público de Alagoas.

Decreto nº 18.041, de 01 de fevereiro de 2012. Dispõe sobre o pedido formal de perdão pelo Governo do Estado de Alagoas a população afro-alagoana e à religiosidade afro-brasileira devido ao episódio do “Quebra de Xangô de 1912 (2012). http://anajoalagoas.wordpress.com/2012/02/02/decreto-governamentalpedido-de-perdao-ao-quebra-de-xango.

do Rio, J. (1906). As religiões do Rio. Garnier.

dos Santos, I. M. F. (2014). "O axé nunca se quebra": transformações históricas em religiões afrobrasileiras, São Paulo e Maceió (1970-2000). Edufal.

Duarte, A. (1974). Catálogo Ilustrado da Coleção Perseverança. DAC; SENEC.

Feitiçaria oficial protetora das oligarquias. (1912, 16 de março). O Malho, p. 38.

Fernandes, G. (1941). Sincretismo Religioso no Brasil. Gauíra.

Fonseca, C. E. S. R. (2020). Arquitetura, Cidade e Rito. Espacializações do sagrado afro-brasileiro em Maceió/AL [Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Alagoas]. Repósitorio Institucional da Ufal. http://www.repositorio.ufal.br/bitstream/riufal/7035/3/Arquitetura%2c%20cidade%20e%20rito%3a%20espacializa%c3%a7%c3%b5es%20do%20sagrado%20afro-brasileiro%20em%20Macei%c3%b3-AL.pdf

Fry, P., & Maggie, I. (2006). Apresentação. In Rodrigues, Raimundo Nina. O animismo fetichista dos negros baianos. Editora da UFRJ.

Lima Júnior, F. (2001). Maceió de outrora. Edufal.

Löwy, M. (2011). “A contrapelo”. A concepção dialética da cultura nas teses de Walter Benjamin (1940). Lutas sociais, (25-26), 20-28.

Oliveira, L. (2020, 1 de fevereiro). Xangô rezado alto sai do palco histórico do Quebra. Gazeta de Alagoas. https://d.gazetadealagoas.com.br/caderno-b/248230/xango-rezado-alto-sai-do-palco-historico-do-quebra

Pesavento, S. J. (2008). História, memória e centralidade urbana. Mosaico, 1(1), 3-12. https://doi.org/10.4000/nuevomundo.3212

Prato do dia. (1912, 6 de fevereiro). Jornal de Alagoas, p. 1.

Rafael, U. N. (2012). Xangô rezado baixo. Religião e política na Primeira República. Editora da UFS; EDUFAL.

Rafael, U. N. (2015). A Coleção Perseverança do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas: O papel dos objetos na preservação da memória da violência contra os terreiros de Xangô em Maceió na Primeira República. In A. Gucliemucci & S. Leal (eds.), Vivir para contarlo. Violencias y memorias en América Latina (pp. 42-51). Papeles del Viento Editores.

Rodrigues, R. N. (2006). O animismo fetichista dos negros baianos. Ministério da Cultura, Fundação Biblioteca Nacional.

Silva, H. R. (2002). "Rememoração"/comemoração: as utilizações sociais da memória. Revista Brasileira de História, 22(44), 425-438. https://doi.org/10.1590/S0102-01882002000200008

Simões, K. (2012, 31 de janeiro). Governo pede perdão oficial pelo Quebra. Diário Oficial, p. 6.

Soares, C., & Simões, K. (2012, 25 de janeiro). UNEAL celebra a memória do ‘Quebra de Xangô’ após 100 anos. Diário Oficial, p. 7.

Strathern, P. (2002). Derrida em 90 minutos. Zahar.

Strathern, M. (2013). Fora de contexto: as ficções persuasivas da antropologia. Terceiro Nome.

Trouillot, M. R. (1995). Silencing the Past. Power and the Production of History. Beacon Press.

Turner, V. (1987). The anthropology of performance. PAJ Publications.

Vilela Filho, T. (2012, 2 de fevereiro). Discurso. Diário de Alagoas, p. 6.

Published
2020-12-31